Três Ferramentas BIM Interessantes para Engenheiros Civis

Civil 3D

Autocad Civil 3D é a principal oferta para engenheiros civis. Ele cobre uma grande variedade de ferramentas para a engenharia civil, que modelam os projetos em um sistema BIM e interpretam em um contexto real.

O que é novo? O segundo pacote de serviços para AutoCAD Civil 3D 2016 já foi lançado. Segundo a Autodesk, ele deve resolver uma boa quantidade de “bugs” de versões anteriores.

Uma dessas atualizações arruma o problema de compatibilidade com o InfraWorks 360. O resto dos “bugs” corrigidos estão listados aqui.

 

Misturando com Project Kameleon

Essa pequena ferramenta é para o engenheiro civil que nunca consegue achar as partes certas de um projeto.

É uma prévia dos laboratórios de tecnologia da Autodesk: um aplicativo pensado como um teste. Se os apps forem bem recebidos, eles podem se tornar disponíveis comercialmente. A tecnologia pode também aparecer dentro de algum produto da Autodesk.

O Project Kameleon contém uma biblioteca de formatos que permite que os usuários escolham a partir de uma variedade de partes usáveis em infraestrutura. Porém, como isso não é suficiente, o app também permite que os usuários criem algumas partes usando o InfraWorks 360 e o AutoCAD Civil 3D. Isso inclui galerias, poços de visita, bocas de lobo etc.

O que é novo? Project Kameleon foi atualizado recentemente com alguns detalhes elegantes. Um deles é a habilidade de projetar tubos de pressão para o AutoCAD Civil 3D, significa que tubos, junções, válvulas e hidrantes podem ser criados para refletir suas pressões.

Outro novo detalhe é que os usuários do InfraWorks podem criar estruturas de pontes, como vigas, pilares e cais.

Assista ao vídeo abaixo para um rápido tour.

Nova Imagem de Bitmap

Project Boulder

BIM2

Outro pequeno diamante da Autodesk Labs, o Project Boulder é uma ferramenta “mão na roda” para deixar seus projetos altos e secos.

Ele combina simulações de inundações em 2D, do RiverFlow 2D do Hydronia com o InfraWorks 360 3D da Autodesk para demonstrar como projetos como prédios, pontes e estradas podem sofrer numa inundação. Essas simulações podem rodar diretamente no InfraWorks.

O que é novo? O Project Boulder preview foi recentemente estendido para Junho de 2016, então tem tempo suficiente para você testar.

Assista ao vídeo abaixo para uma rápida demonstração.

Capturar

FONTE: INFRABRASIL AUTODESK

Anúncios

How small firms should prepare for the BIM 2016 mandate 

Clique aqui para ler em português

The Government Construction Strategy

The Government Construction Strategy is a policy paper issued by the UK Government that sets the target of reducing the cost of government construction projects by 15-20 percent “by the end of the current Parliament.” One of the key initiatives is to mandate “fully collaborative 3d BIM [Building Information Modeling] by 2016.”

This means that in two years, anyone involved with a government project in the UK will be contractually obligated to use BIM. While the policy only pertains to publicly procured projects, it is expected to catalyze similar requirements from the private sector. So whether or not you do governmental work, collaborative BIM is likely to become a prerequisite for most medium to large projects in the UK within the next couple of years.

Collaborative BIM

There are many ways to use BIM. At its most basic, BIM can be used inside a firm to produce design documentation. This is sometimes called “Level 1 BIM” or ”lonely BIM” because the model is only used internally and not shared with external partners. Communication with partners still happens using traditional drawings sets.

The UK government has mandated a more sophisticated form of BIM called “collaborative BIM,” also known as “Level 2 BIM” or ”social BIM.” In this scenario, the model is developed by multiple companies. The architect, MEP engineer, and other consultants all create a model. These models are then shared so that project participants can check things, such as whether the duct from the MEP engineer clashes with the column designed by the structural engineer. Data extracted from these models are shared in a similar way. Rather than just producing traditional drawings, the architect might give a fabricator geometric data for a CNC machine or they might generate a COBie spreadsheet of all the assets in the building for the building owner.

Could this harm small businesses?

Some in the industry are concerned that small firms might be disadvantaged by the 2016 BIM requirements since small firms are much less likely to be using BIM. The 2014 NBS National BIM Report shows that BIM is used by only 35 percent of small firms with up to five employees. Firms with more than five employees are almost twice as likely to be using BIM, with 61 percent of them having already undertaken the adoption.

The differences of scale make sense historically. Large firms working on large projects have had the most to gain from the benefits BIM offers in terms of systematically organizing and sharing building information. Large firms have also benefited from having dedicated IT staff to guide the transition, as well as the resources to absorb potential disruptions. In contrast, small firms have had less flexibility and less financial incentive to undertake the change.

These differences in scale are becoming less pronounced. Small firms have more reasons than ever to adopt BIM, and many are already racing to undergo the adoption before 2016. Fortunately, this is easier than ever. The pioneering work has already been done by other firms. The best practices are established, many of the contractors and owners are primed to accept BIM, and the technology is mature. It is a perfect time for small firms to make the change.

Adopting BIM before 2016

A common misconception is that your firm can adopt BIM just by purchasing the right software. This is an easy mistake to make. Unfortunately, it’s a mistake that leaves a lot of firms in trouble.

Many of the difficulties associated with adopting BIM can be avoided if a firm realizes that BIM isn’t about the software, it’s about change management. Your employees don’t just have to learn a new software, they have to learn a new way of delivering projects.

Small firms adopting BIM benefit from a lack of institutional bureaucracy that could hinder adoption. Change may be easier to initiate, but it still requires leadership. For a successful adoption, it is paramount that someone within the firm takes responsibility for the adoption. So identifying the BIM leader is the first step. The leader must be technical, ideally with experience in delivering BIM projects. If this person doesn’t exist within your organization, consider hiring them or employing a consultancy.

Once the BIM leader is in place, the next steps are to begin making the switch. At a small firm, it’s practical to make the switch in unison. Select a project that everyone can be involved with – preferably one that’s not too difficult or time constrained. Staff training should begin as close to the project kickoff as possible to ensure there isn’t a significant gap between training and application. Once the first project starts, someone experienced in BIM should guide the project so that modeling mistakes are proactively addressed before they become serious problems down the line.

For the first project, you will probably use BIM just internally to generate design documents. This isn’t a particularly ground-breaking application of BIM, but it’s a safe place to start. As you grow more confident, you will be well positioned to start working towards the collaborative BIM requirements for 2016.

An infrastructure for adoption

It’s important that your infrastructure is designed to support the expected workload. BIM places new demands on your infrastructure. Most obviously, if you want to undertake collaborative BIM, you must have the network to support the exchange of data internally and externally. This will typically involve having a reliable internet connection, robust internal networking, and an internal server. For a small office, the server doesn’t have to be especially powerful. At a minimum, we recommend 16GB of memory, a 2.6GHz four-core Intel® Xeon® processor, and a couple of terabytes of storage. HP sells a range of servers targeted at small to medium businesses. The HP ProLiant ML350e is a great choice because it doesn’t require any special cooling or housing. You can just set it up in the corner of your office and have it serve the BIM files.

In addition, it is important to have the right desktop computers. BIM places significantly more demands on your hardware when compared to traditional 2d CAD drafting. Look for workstations that have been certified to run your Autodesk software. They should include SSDs for fast file opening, at least 16GB of RAM, a mid-range GPU, and a fast Intel Xeon processor. For more help selecting your workstations, see HP’s and CASE’s previous AUGI article from April 2014 on hardware configurations for Revit: .

With this infrastructure in place, and a couple of “lonely BIM” projects under your belt, even your small firm can be prepared for the 2016 deadline.

Fonte: AUGI

BIM é aplicável em obras de infraestrutura?

É fácil ver que a metodologia BIM ( Building Information Model) está ganhando cada vez mais espaço no cenário brasileiro. Mas, o conceito é bem mais amplo do que aparenta. Apesar de ser usado principalmente no segmento da construção civil, também possui outras aplicações, dentre elas, temos  nas obras de infraestrutura, que é o assunto de hoje.

A plataforma BIM é capaz de apresentar, em forma eletrônica, detalhada e em tempo real, todo o ciclo de vida de uma construção, da arquitetura à execução final, envolvendo gerenciamento, processos construtivos, fases de trabalho e suas quantificações, orçamento e custo da obra com alta precisão, além de verificação de práticas de sustentabilidade, como já foi dito anteriormente no post O que é BIM?. Uma prática muito importante para esse tipo de obra é a georreferência, que é o mapeamento detalhado, em formato eletrônico, da área onde o serviço será executado, com referências por GPS.

Com a metodologia, os projetos serão bem detalhados, o que evitará problemas de revisão e aditivos. O gasto será exato com relação ao projeto. Da forma convencional, gasta-se muito tempo com análise de projetos ineficazes e desenvolvimento de anteprojetos.

A adoção do BIM em empreendimentos de infraestrutura tais como estradas rodoviárias e ferroviárias, pontes, instalações de geração e transmissão de energia, e tantos outros de grande complexidade e em que o investimento vem principalmente do poder público ou de parcerias público-privadas, que ainda é bastante tímido. No Brasil, algumas licitações públicas de grandes contratantes exigem o uso do BIM, como a Petrobrás, a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cedurp) e o Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi).Algumas ferramentas conhecidas para esse tipo de projeto são, o Autodesk Infraworks e o Autodesk Civil 3d, dentre outros. Diante disso, percebe-se que é um segmento muito promissor, visto que no cenário econômico atual, se faz necessário controle e transparência, além de redução de custos totais com melhoria na qualidade.

 BIM_Infra

O BIM crescerá no Brasil nos próximos anos?

De acordo com a Sondagem Indústria da Construção realizada pela CNI- Confederação Nacional da Indústria, as expectativas da indústria da construção no Brasil não são otimistas para o ano 2015 e 2016. Seu economista,  Danilo Garcia,  explicou: “ A situação atual “não é positiva”, e a perspectiva para os próximos três meses é pessimista, além disso a situação financeira das empresas não se encontra favorável, e os empresários têm demonstrado insatisfação com a situação financeira, com a margem de lucro operacional e com o acesso ao crédito. O impacto mais forte está relacionado à desaceleração da economia e à menor confiança dos consumidores”.

Podemos pensar que se a construção não irá crescer, então o BIM tampouco. Mas, acreditamos o contrário. Nos Estados Unidos, no pior momento da história da economia nos últimos 70 anos, entre 2007 até 2012 o crescimento do BIM foi incrível.

De acordo com SmartMarket Report, “The Business Value of BIM in North America: Multi-Year Trend Analysis and User Ratings (2007–2012)” produzido por a McGraw-Hill Construction (http://construction.com/about-us/press/bim-adoption-expands-from-17-percent-in-2007-to-over-70-percent-in-2012.asp ) “a adoção do BIM expande-se de 17% no ano 2007 até 71% no ano 2012, demonstrando um crescimento impressionante, apesar das pressões econômicas recentes”.

A principal razão foi a necessidade de eficiência no processo da construção. A indústria da construção globalmente é uma indústria de baixa produtividade.

Nos Estados Unidos até o ano 2007, o BIM foi adotado principalmente pelos Arquitetos. Nesses anos seguintes, especialmente no ano 2008, as empresas construtoras e os profissionais da indústria da construção precisavam ser muito mais competitivos para manter a rentabilidade. Assim o Building Information Modeling (Modelagem das Informações da Construção) foi um dos principais processos utilizados e assim começou uma adoção agressiva, principalmente pelas construtoras.

Além disso o Governo dos EUA tinha o duplo desafio de estimular a economia procurando não aumentar tanto o déficit (que é o maior do mundo). Uma das principais medidas foi no setor da construção de seus novos prédios públicos: exigir o uso do BIM para compatibilização e entregar um modelo BIM As-Built para ser utilizado na Manutenção Predial. Esta exigência começou em todos os seus departamentos: no GSA (General Services Administration) que é proprietário de todos o prédios administrativos do governo e e o maior proprietário de edificações do mundo , o US Army Corps of Engineers, o Department of Defense, a Navy, etc… Na Engworks tivemos a oportunidade de trabalhar com esses requerimentos, já que muitas empresas que tinham ganho contratos de projetos públicos tinham a exigência BIM no contrato.

Portanto, acredito que aqui no Brasil temos uma grande oportunidade de aumentar a produtividade e assim o lucro no processo construtivo. E aquelas empresas que estiverem na frente na adoção desta tecnologia serão aquelas que não só sobreviverão mas que terão mais chances de crescer, apesar do ambiente econômico de baixo crescimento no país.

Fonte: Engworks

Autor: Axel Krüger