GOVERNO FEDERAL CRIA COMITÊ ESTRATÉGICO DE IMPLEMENTAÇÃO DO BIM E REFORÇA DISSEMINAÇÃO DA PLATAFORMA NO BRASIL

Foi criado hoje (6), no âmbito do Governo Federal, o Comitê Estratégico de Implementação do BIM (CE-BIM) que tem como finalidade propor, a estratégia nacional de disseminação do BIM, as suas diretrizes e as prioridades de atuação. O comitê será presidido pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic) e se reunirá trimestralmente e em caráter extraordinário, por convocação de seu presidente. “Esse é um passo muito importante, na direção do que já observamos em países desenvolvidos onde o BIM é uma realidade que moderniza a construção civil e melhora a execução de obras públicas”, avalia José Carlos Martins, presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC). “É uma plataforma que deve entrar no pacote de reformas do governo. No médio e curto prazo, podemos começar a ter resultados, principalmente no aspecto de transparência”, acrescenta.
O Building Information Modeling (BIM) é considerado uma revolução no setor e sua disseminação, com vistas à democratização do seu uso entre as empresas brasileiras, é ação estratégica da CBIC. A criação do comitê governamental faz parte desse esforço, proposto pela entidade, na expectativa de induzir melhorias na contratação e execução de obras públicas. Nesse primeiro semestre, a CBIC realizou um road show levando o BIM a 10 cidades brasileiras, mostrando seus benefícios. Esse tema também entrou na programação da Comissão de Materiais, Tecnologia, Qualidade e Produtividade (COMAT) da CBIC durante o 89°Encontro Nacional da Indústria da Construção (Enic), realizado em Brasília nos últimos dias de maio.

Veja aqui os detalhes do Diário Oficial de hoje.

Fonte: http://mailchi.mp/cbic.org.br/governo-federal-cria-comit-estratgico-de-implementao-do-bim-e-refora-disseminao-da-plataforma-no-brasil-236641

Anúncios

BIM é aplicável em obras de infraestrutura?

É fácil ver que a metodologia BIM ( Building Information Model) está ganhando cada vez mais espaço no cenário brasileiro. Mas, o conceito é bem mais amplo do que aparenta. Apesar de ser usado principalmente no segmento da construção civil, também possui outras aplicações, dentre elas, temos  nas obras de infraestrutura, que é o assunto de hoje.

A plataforma BIM é capaz de apresentar, em forma eletrônica, detalhada e em tempo real, todo o ciclo de vida de uma construção, da arquitetura à execução final, envolvendo gerenciamento, processos construtivos, fases de trabalho e suas quantificações, orçamento e custo da obra com alta precisão, além de verificação de práticas de sustentabilidade, como já foi dito anteriormente no post O que é BIM?. Uma prática muito importante para esse tipo de obra é a georreferência, que é o mapeamento detalhado, em formato eletrônico, da área onde o serviço será executado, com referências por GPS.

Com a metodologia, os projetos serão bem detalhados, o que evitará problemas de revisão e aditivos. O gasto será exato com relação ao projeto. Da forma convencional, gasta-se muito tempo com análise de projetos ineficazes e desenvolvimento de anteprojetos.

A adoção do BIM em empreendimentos de infraestrutura tais como estradas rodoviárias e ferroviárias, pontes, instalações de geração e transmissão de energia, e tantos outros de grande complexidade e em que o investimento vem principalmente do poder público ou de parcerias público-privadas, que ainda é bastante tímido. No Brasil, algumas licitações públicas de grandes contratantes exigem o uso do BIM, como a Petrobrás, a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cedurp) e o Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi).Algumas ferramentas conhecidas para esse tipo de projeto são, o Autodesk Infraworks e o Autodesk Civil 3d, dentre outros. Diante disso, percebe-se que é um segmento muito promissor, visto que no cenário econômico atual, se faz necessário controle e transparência, além de redução de custos totais com melhoria na qualidade.

 BIM_Infra