BIM do 3D ao 7D

MODELO COLABORATIVO

3D-BIM, gira em torno de um modelo de dados integrados a partir do qual as várias partes interessadas, tais como arquitetos, engenheiros, construtores, fabricantes e proprietários de projeto podem extrair e gerar pontos de vista e informações de acordo com suas necessidades. Visualizações tridimensionais permite aos participantes ver em tempo real as modificações feitas em uma parte do projeto, serem modificadas automaticamente nas outras partes.O “BIM” 3D ajuda os participantes a gerenciar sua colaboração multidisciplinar de forma mais eficaz na modelagem e análise de problemas espaciais e estruturais complexos. Além disso, cada ponto do modelo virtual possui uma informação parametrizada, de forma, que podemos prever a durabilidade de todos os componentes durante todo o ciclo de vida da edificação.

Benefícios

Melhorou a visualização do projeto, a comunicação da intenção do projeto.

Melhoria da colaboração multidisciplinar.

Redução do retrabalho

AGENDAMENTO

4D-BIM é usado para atividades relacionadas com planejamento local de construção. A quarta dimensão do BIM permite que os participantes para extrair e visualizar o progresso de suas atividades por meio do ciclo de vida do projeto. A utilização da tecnologia 4D-BIM pode resultar em melhor controle sobre a detecção de conflitos ou sobre a complexidade das mudanças que ocorrem durante o curso de um projeto de construção. 4D BIM fornece métodos para gerenciar e visualizar informações de status da construção, alterar impactos, bem como apoiar a comunicação em várias situações, como informar a equipe de construção ou advertência sobre os riscos.

Benefícios
Integração BIM com modelos de simulação 4D CAD trazer benefícios aos participantes em termos de otimização de planejamento.

Construtores e fabricantes podem otimizar as suas atividades de construção e coordenação de equipe.

ESTIMANDO

5D-BIM é usado para a composição de orçamento e análise de custo atividades relacionadas. A quinta dimensão de BIM associado com 3D e 4D (Tempo) permite aos participantes visualizar o andamento de suas atividades e os custos relacionados com o tempo. A utilização da tecnologia 5D-BIM pode resultar em uma maior precisão e previsibilidade de orçamentos, mudanças de escopo do projeto e os materiais, equipamentos ou mudanças de mão de obra. 5D BIM fornece métodos para extrair e analisar os custos, avaliação de cenários e impactos das mudanças.

Benefícios
Integração BIM com modelos de simulação 5D CAD permite o desenvolvimento de construções sustentáveis mais eficiente
s e rentáveis.

SUSTENTABILIDADE

6D-BIM, ajuda a realizar análises de energia consumo. A utilização da tecnologia 6D-BIM pode resultar em estimativas de energia mais completas e precisas no início do processo de projeto. Também, permite a medição e verificação durante a construção e melhores processos de escolha de instalações de alto desempenho. É nesta etapa que podemos associar o BIM com o Green Building, chamado por alguns autores de Green BIM. Dessa forma, é fácil ver que os dois conceitos conversam entre sim.

Benefícios
Integração BIM com modelos de simulação 6D leva a uma redução global no consumo de energia.

MANUTENÇÃO

7D-BIM é utilizado pelos gestores na operação e manutenção das instalações durante todo o seu ciclo de vida. A sétima dimensão do BIM permite que os participantes para extrair e rastrear dados de ativos relevantes, tais como status do componente, especificações, manutenção / manuais de operação, datas de garantia etc. A utilização da tecnologia 7D-BIM pode resultar em mais fácil e rápida substituição de peças, cumprindo e otimizado uma gestão racionalizada ciclo de vida de ativos ao longo do tempo. 7D BIM proporciona processos para o gerenciamento de subcontratante / fornecedor, facilitando a manutenção durante todo o ciclo de vida da construção. Nesta etapa, ainda não muito usada no Brasil, é que se enquadra nova norma de desempenho para edificações, a NBR 15575.

Benefícios
Integração BIM com modelos de simulação 7D CAD otimiza gestão de ativos desde a concepção à demolição.

6a0115704f0347970b016304c1029f970d-800wi

Anúncios

Como anda o BIM nas incorporadoras

Desde que começaram a testar o uso da plataforma BIM no desenvolvimento de seus projetos, as incorporadoras brasileiras se depararam com desafios e oportunidades. Conheça algumas experiências a seguir.

Há cerca de quatro anos, as grandes construtoras e incorporadoras brasileiras iniciaram, quase que simultaneamente, uma série de projetos-piloto que visavam a avaliar a pertinência da utilização da plataforma Building Information Modeling (BIM), de modelagem 3D. A motivação estava na possibilidade de elevar a produtividade, reduzir perdas, abreviar prazos, melhorar a assertividade dos orçamentos e a qualidade do produto imobiliário. Aliado a isso, outros impulsos ampliaram o interesse das empresas em testar esse sistema de uso mais consolidado nos Estados Unidos e na Europa. Projetos que vêm do exterior para implantação no Brasil, muitas vezes, já requisitam a modelagem 3D. por conta da facilidade gerada na fase de manutenção, alguns empreendimentos governamentais e privados já exigem a entrega em BIM, como é o caso da Petrobras e de outros contratantes que ficam com a gestão da operação e das facilities sob seu comando. “por fim, já há um número razoável de projetistas das principais disciplinas, sobretudo arquitetura e estrutura, que oferecem seus projetos modelados”, destaca o diretor da Sinco Engenharia, Fernando Augusto Correa da Silva.

Desde então, essas empresas vêm enfrentando uma série de desafios, ao mesmo tempo em que conquistam alguns avanços. “Apesar de crescente, a demanda pelo BIM ainda é pequena, o que acaba dificultando sua implementação, principalmente diante da necessidade de enfrentar questões emergenciais do dia a dia, como o atendimento a prazos, custos e qualidade das obras”, revela Fávio Villas Boas, diretor técnico da Tecnisa.

“Como o BIM é um processo que gera uma implantação paralela aos procedimentos diários das empresas, a evolução que temos visto é resultante da própria maturação de sua utilização”, avalia Silva, que trabalha com o BIM em sua empresa desde 2010. “Os clash detections (apuração de falhas de projetos), a retirada de quantidades e a pré-execução são alguns dos instrumentos que passaram a ficar disponíveis e que antes não existiam. O melhor entendimento e a prática operacional dos softwares escolhidos também ajudaram nessa evolução”, complementa Silva.

A negociação com projetistas para convencê-los de que vale a pena adotar a nova ferramenta, a falta de padronização de componentes e a necessidade de maior interação entre os participantes do projeto são algumas dificuldades comuns enfrentadas pelas empresas que vêm testando o BIM nos últimos anos. “A principal dificuldade não está na tecnologia, e sim no processo e na cultura de mercado”, acredita Paulo Sérgio Oliveira, diretor de engenharia da JHSF. Segundo ele, para se ter sucesso com o uso do BIM nas atividades de engenharia, projeto, construção e incorporação, é preciso gerar resultados ao mesmo tempo em que os novos processos são construídos. “É necessário ter uma cultura para a inovação: aceitar riscos e ter tolerância com a experimentação, adequar-se constantemente às demandas do mercado e às novas tecnologias, lidar diariamente com o industrializado versus o convencional, criar alianças estratégicas com projetistas e fornecedores e abordar, de forma sistêmica e integrada, as disciplinas de um empreendimento”, detalha Oliveira.

“As empresas precisam entender como o BIM vai agregar valor a elas. É importante ter objetivos claros e estabelecer as prioridades a serem atingidas. Também é fundamental que os investidores, incorporadores e construtores enxerguem valor e sejam os propulsores do mercado para o uso mais amplo do BIM”, acrescenta João Paulo Bueno Sanches, gerente técnico da Gafisa.

Independentemente do estágio de utilização do BIM, nenhuma das fontes entrevistadas por Construção Mercado duvida que a tendência seja de ampliação do uso do BIM nos próximos anos. “O armazenamento em nuvem, a mobilidade dos hardwares, o desenvolvimento e a integração de novos softwares, a instrumentação das obras na execução e no pós-ocupação são tendências que impulsionarão a disseminação do BIM”, aposta Silva.

Outra tendência que pode se consolidar em um futuro mais imediato é a adoção de uma solução híbrida, que utilize a modelagem em BIM nas partes mais críticas do projeto, mantendo o 2D nas partes mais simples. “Isso acontece nos Estados Unidos, onde o BIM muitas vezes não é usado para o edifício todo, mas apenas onde ele agrega calor e tem vantagem competitiva”, comenta Fábio Villas Bõas, da Tecnisa.

Fonte: Engworks